quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Jefferson e o seu Dão da mercearia.

Jefferson deveria ter uns seis anos de idade quando ocorreu este episódio em sua vida, estava no quintal com os irmãos brincando com latas de óleo de soja. Seu irmão mais velho jogou uma das latas por cima do muro na intenção de jogar fora, mas Jefferson não concordou com a ideia e resolveu ir no terreno vago ao lado da casa para buscar a lata. Agacha daqui, pula um entulho dali, abaixa uns matos de lá e pronto! Encontrou a lata... No momento em que abaixou para pegar, sentiu uma dor aguda na testa e um barulho ao mesmo tempo: "Pimmmmm". Acabava de receber uma lata vazia de óleo na testa. Saiu em disparada chamando a mãe, chorando com todas as lágrimas que tinha em estoque naquela semana e a testa já tinha subido um "galo".

A mãe pega uma faca de mesa e fez a testa diminuir de tamanho na raça, a princípio pensou que a madre iria cortar o galo no talo, mas era para pressionar até baixar o inchaço. Doeu duas vezes mais a "operação baixa galo" de sua mãe, e a vontade na hora era de gritar pela polícia.

Tudo explicado conforme tinha ocorrido, a mãe se compadeceu do menino e para fazê-lo parar de chorar e para que  não relatasse ao pai que tinha recebido uma lata de óleo na testa, disse as seguintes palavras ao menino: "Vai lá no seu Dão e compra balas pra vocês, mas é pra comprar três pra você e seus irmãos vão ganhar só duas."
Entendendo perfeitamente a mensagem da minha mãe, sendo três filhos então o total seria sete balinhas.

Entrando na mercearia sozinho, era uma distância de algumas casas apenas e já avistou aquele baleiro olhando e dizendo: "Me leva... Me leva".
Jefferson aproximou do balcão de maneira digna de um consumidor de balinhas e já intimou o dono da mercearia:
"A minha mãe falou que é para me dar três balinhas e meus irmãos vão ficar só com duas".
Seu Dão olhou e perguntou novamente o que o garoto queria.
"É que minha mãe falou que eu vou ganhar três balas e meus irmãos não, eles vão ganhar só duas".

Jefferson entregou o dinheiro e o vendedor perguntou quantas balas queria levar, mas o garoto repetiu a mesma frase. Seu Dão não entendendo pegou aquele dinheiro e perguntou se queria comprar balas, o garoto explicou novamente, na intenção de não levar prejuízo na divisão das balas, ele estava preocupado em ficar com mais balas que os irmãos e disse: 
"Sabe o que é; é que meu irmão me tacou uma lata na cabeça, aí minha mãe falou que por isso eu vou ganhar três balas e eles apenas duas."
Seu Dão pegou um saco de papel e encheu de balas, e não colocou em saquinhos separados conforme Jefferson pensou que seria, afinal de contas, o vendedor não era obrigado a saber a quantidade de irmãos que ele tinha.

Chegando em casa, tinha mais balas do que o dinheiro poderia comprar, Jefferson pensou que seus irmãos ficariam cada um com duas balas e ele ficaria com todo o resto do saquinho cheio. Sua surpresa foi que ao ver tanta bala no saco, sua mãe acabou por repartir igualmente.
Jefferson não ganhou nada com essa história, apenas uma lata e um galo, agora abaixado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário