terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Mais um Janeiro.

Janeiros que se passam e constantemente chegam; não na mesma velocidade do dia, porém na velocidade impercebível e repentina dos doze meses.

Estou dando de cara com mais um mês conhecido em nossas anotações como "mês 01". Até chegar o momento de acostumar a anotar o ano correto em que já estamos, ocorrerá raspaduras na escrita intercaladas em papéis agora rasurados. A mão no rosto expressando o gesto de esquecimento aponta a realidade de escrever números e outras coisas mais, no nosso "piloto automático".
Até no caminho de volta para a casa, quando menos esperamos, lá estamos, chegando em casa. Mas não era essa a intenção? Retornar para casa? Sim; era sim. No entanto fazemos o trajeto de volta no "piloto automático" sem atentarmos para o próprio cansativo itinerário diário.

Janeiro, Janeiro... Mais uma vez estamos juntos, mais uma vez passarás comigo este período de alguns dias e em seguida sua despedida acontecerá. Embora eu ainda nem me acostumei a anotar o "mês um" de "Dois mil e treze" já me verei em relacionamentos com o "mês dois".
Janeiro que se foi no ano passado e que me encontra neste atual.

Dizem que não é o mesmo mês porque o referido do ano velho não será mais vivido...
Como não será vivido? Janeiro de acontecimentos rotineiros que insistem em acontecer todos os anos nos episódios da vida... Descaso com o ser humano, desigualdades sociais, injustiças, prisões de vícios, falta de oportunidades, falta de Deus nos corações.

O Janeiro somente será um espetáculo na vida de todos quando estes mesmos entenderem que o coração humano nunca será preenchido com bens materiais, prazeres passageiros e realizações egoístas... Quando o ser humano entender que a verdadeira vida de paz está na esperança da força maior, antes nunca experimentada, será fácil enfrentar mais um Janeiro... E por seguinte, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro, Outubro, Novembro, Dezembro... E novamente o Janeiro do qual falamos hoje.