sábado, 21 de janeiro de 2012

Gastando moedas.

Os seres vivos nascem, crescem, reproduzem e morrem. É o ciclo natural da vida.  Aprendemos isto nas primeiras aulas de Ciências na escola. Da mesma maneira que se lê as quatro etapas desta "passagem", muito rápido isto se executa na vida do ser humano. O vapor que se vê e logo desaparece também simboliza a vida do homem. Sendo assim, diante da realidade que é a nossa vida nesta planeta, entendendo que não somos eternos neste chão em que pisamos e que existe uma boa ilustração sobre o nosso "nasce, cresce, reproduz e morre".

O filho recebe sua primeira mesada e logo é alertado pelo pai, para que gaste aquelas moedas com consciência, apesar de ser apenas uma criança. O pai não obrigou o filho a guardar ou gastar, tampouco escreveu uma lista de coisas que podem e não podem ser compradas com aquelas moedas, unicamente disse ao filho que gastasse com consciência.

O garoto foi à mercearia da esquina e comprou tudo de balas e chicletes; retornando para casa com um saco cheio delas. Alegremente foi mostrando ao pai o que havia adquirido com as moedas da mesada. O pai coçando a cabeça pergunta se aquilo foi feito com consciência, mas o filho com certa incerteza levanta os olhos para o pai sem o encarar e diz que sim.

No outro dia o menino voltando da escola diz ao pai que viu uma bola sendo vendida no bazar e que precisava muito dela para a aula de educação física. O pai diz que no mês seguinte dará a bola ao menino, logo é impedido de falar pelo garoto que abaixa a cabeça e tenta deixar a conversa. Mais uma vez o pai questiona o filho sobre a necessidade de se ter o tempo certo para adquirir as coisas, mas o garoto revela que já tem um mês que estava esperando ganhar a bola de presente. O pai com uma voz calma e firme relembra o filho sobre gastar com consciência e novamente o menino interrompe, alegando estar crendo que ganharia a bola assim mesmo, independente da mesada. Mesmo assim, sem voltar atrás o homem diz: "Meu filho, eu te dei a mesada do mês, você não precisava comprar de uma só vez aquele saco de guloseimas, o dinheiro estava com você, dava para comprar a sua bola e ainda algumas balas e chicletes..."
O garoto ouvindo as palavras do pai, segurando em sua mão disse: "Será que podemos pegar minhas moedas de volta?" O pai logo responde: "Não! Você já gastou, não terá mais aquelas moedas de volta".

O menino pensava na possibilidade de ter sua mesada de volta, devolvendo as balas e chicletes ao vendedor da mercearia, mas entristeceu quando soube pelo seu próprio pai que aquilo não poderia ser feito.

A nossa vida se transforma nestas moedas quando usamos da maneira que queremos, quando gastamos da forma como desejamos, impulsionados por momentos repentinos, passageiros, superficiais, inconscientes. A nossa vida passa a ser estas moedas que só podem ser gastas uma única vez, sem volta. E você, no que está gastando a sua vida? Nossa vida, são estas moedas que só podem ser gastas uma única vez e precisa ser feito com consciência!

Ao dialogar com um grande amigo, o mesmo me disse que participa de eventos e festas às custas de algumas pessoas como mulheres e colegas; e que do seu bolso praticamente não desembolsa nada para curtir a vida. Perguntei novamente se ele gasta alguma coisa com isso; ele inspirou profundamente e respirou de forma  extensa, logo me disse: "Cara; eu não gasto Um Real na noite!". Logo eu disse a ele: "Você está gastando algo mais valioso do que os Reais do seu bolso; está gastando sua vida, que está passando e você não está percebendo." Ele olhou para mim querendo dar outra justificativa, mas não encontrou.

Devemos repensar como estamos gastando as moedas, como estamos gastando a vida.

Um comentário:

  1. Prezado Jefferson, todos nós precisamos a todo instante da iluminação de Deus. Sem ela, gastaremos sempre nossa vida em vão. As formas de gastarmos em vão nossa existência são as mais variadas possíveis e às vezes não sabemos se gastamos com coisas certas ou com coisas erradas. Há momentos que pensamos que tudo está certo e que estamos fazendo exatamente o correto a ser feito, mas depois percebemos de que estava tudo errado. Tem casos em que pensamos que estamos fazendo a coisa errada, mas lá na frente percebemos que na verdade estava fazendo certo. É por isso que precisamos da iluminação de Deus para que Ele mesmo nos guie e nos ensine a gastarmos nosso tempo, nossa vida com tudo aquilo que Ele aprova para nosso bem e grandeza dele em nossa existência passageira aqui na Terra. Deus seja contigo amado!

    ResponderExcluir