quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Dicas para comprar um Fiat 147 - 2ª parte.

Interior do meu 147.
Depois que pesquisamos, andamos, suamos e encontramos o tão procurado Fiat 147, chegou a hora de verificar o que olhar...
Já olhamos por fora e agora falaremos do interior. Esta parte  não tem muito segredo, tudo está muito nítido; no momento em que você abrir a porta para olhar o interior, estará ali na cara, ou é, ou não é!

Verificando o interior.
Aqui é bem simples mesmo, dê aquela olhada geral, tenha uma vista ampla e de imediato já vai saber se você mesmo gostou ou não. Comece verificando o painel, se possui trincados ou rachaduras; se tiver pequenas trincas pode ser que o carro ficou bastante tempo exposto ao sol e se tiver rachaduras maiores pode ser que sofreu algum tipo de colisão mais violenta.

O volante não pode ter folga e deve ser leve ao girar, mesmo com o carro parado (depois que você comprar evite girar o volante com o veículo estacionado), balance o volante para encontrar alguma folga maior.
O painel de instrumentos deverá estar 100% funcionando (afinal, está comprando um carro e vai pagar por ele), verifique limpadores de para-brisa, luzes de lanterna, farol, seta, luz de freio, luz do painel, velocímetro e marcadores de temperatura e combustível.
Pise na embreagem e coloque o carro em ponto morto, aproveite e confira se o freio de mão funciona.
Ao desengatar o carro (se o freio de mão funcionar) tente engatar 1ª, 2ª, 3ª e 4ª marcha. Elas devem ser bem precisas no momento em que forçar a alavanca do câmbio. Sobre o fato de ser difícil engatar alguma marcha com o 147 em movimento é outro assunto...

Se você não precisou colocar um tijolo atrás da roda e o carro não desceu ladeira abaixo, sente-se no banco do passageiro e no banco de trás também. Verifique se os bancos estão bem fixados na estrutura, olhe também o forro do teto, se não possui rasgados ou se estão muito danificados; e confira o forro das laterais.

O forro dos bancos é algo muito nítido, seu estado de conservação irá revelar na primeira olhada. Outra dica aproveitando que você está "ensebando" lá dentro é conferir se o carro possui o extintor de incêndio, em seguida abra o porta-malas e verifique o estado do assoalho e certifique-se que esteja lá a chave de rodas e o triângulo de sinalização.

Feito este procedimento do interior, acredito que não há nada mais para olhar... Eu sei que já estava se imaginando andando com o carro, mas é preciso seguir mais algumas etapas antes de levar para sua casa o tão querido "fietin". Na terceira parte, iremos dar uma funcionada no motor e verificar os principais problemas através de um ouvido pronto a ouvir o que diz o barulho do 147.
> continua...

domingo, 25 de setembro de 2011

Dicas para comprar um Fiat 147 - 1ª parte

Respondendo a pergunta de um leitor que certamente se assustou com a batalha Jefferson VS Fiat 147; postarei no blog tudo o que deve ser feito antes de adquirir este veículo.

É um carro que me atrai... Ao encontrar um trafegando pela rua fico olhando se possui detalhes originais ou se foi modificado.

Conforme  for escrevendo vou postando os assuntos por parte.

Espero que isto seja abordado de uma maneira bem clara, sem usar muitos termos técnicos ou dicas que não causam nitidez. Ofereço esta sequência de dicas aos leitores que se interessam por carros dessa época, e espero ansiosamente que chegue o dia em que o Fiat 147 seja tão valorizado quanto o saudoso Ford 1929.

Quais seriam as dicas antes de comprar um Fiat 147?
O que devo olhar antes de comprar um Fiat 147?
Darei as respostas no decorrer das postagens, não perca nenhuma delas, e se perder não venha chorar na minha cabeça dizendo que comprou gato por lebre...

Pesquisando...
Antes de tudo, pare e reflita sobre a necessidade de se ter um 147...
Quando chegar na sua casa e estiver pronto para dormir, ponha sua cabeça no travesseiro e faça a seguinte pergunta: "Para quê eu quero comprar um 147?"
Se a sua resposta for: "Preciso comprar esse carro para usar diariamente, para ir ao trabalho, escola, faculdade, curso, aniversário, viagem...etc..."
Tenho que dizer que esse carro será uma agulha no palheiro.

Se a sua resposta for:
"Preciso comprar esse carro porque gosto, tem que ser um carro bem inteiro, não será um carro de uso diário, apenas para passeio em fins de semana..."
Então lhe direi que foi tirada metade da palha aonde se encontra a tal agulha.

Mas se a sua reposta for: "Quero comprar esse carro, dar uma reforma e usá-lo de muitas formas..."
Aí direi que você está vendo parte da agulha fazendo um pequeno reflexo em seus olhos, porém um movimento em falso e a palha irá se mover e será um trabalhão encontrá-lo.

Partindo do princípio que não somos colecionadores de carros antigos e que precisamos desse veículo para uso normal como ir ao trabalho e ao supermercado; direi que você já tem em mente aonde irá comprar esse veículo: Na sua cidade.

Comece a pesquisar em classificados de jornais, nas feiras de carros usados e também ao andar pela rua, dificilmente você voltará para casa sem ter encontrado pelo menos uma espécie desse 147. Não tenha vergonha de perguntar, conversar, informar... Ao avistar um carro que te agrada, tente saber quem é o dono, se tem interesse em vender, se conhece alguém que tem um a venda... Converse, informe-se. "Quem tem boca vai a Roma; e de 147 se for esperto".

Depois que encontrar o candidato da vaga da sua garagem, tente manter seu controle. Evite empolgar e começar a falar do quanto quer o veículo, do quanto procurou e quanto andou... Converse com o vendedor tranquilamente. Nem todo mundo quer um Fiat 147, mas quando o vendedor encontra um interessado, costumam inclusive dificultar a negociação, aumentando preço, resistindo a descontos e assim por diante.

Então, depois de encontrar o seu futuro Fiat 147, veja se a cor e o modelo te agrada. Passando esta etapa, não se aproxime muito do carro, comece a olhá-lo de longe na tentativa de ver possíveis defeitos na pintura ocasionados por serviços de funilaria. Observe-o bem e de longe, olhando para a posição das rodas dianteiras e traseiras. Olhando o carro de frente, verifique se as rodas dianteiras não estão abertas ou fechadas demais. Procure ver também, se possível, o alinhamento das quatro rodas, estando em frente ao carro na intenção de notar algum desalinhamento da carroceria (traseira desalinhada com a frente).

Chegue mais perto e verifique os espaços das portas; coloque o dedo indicador entre a folga da porta esquerda e compare com a porta do lado direito. Verifique também as folgas da tampa traseira e a tampa do motor, se não estão "trepidando".

Olhe a lataria durante o dia e em lugar claro. Lugares escuros e lataria molhada escondem defeitos na pintura como excesso de massa plástica, que com o passar do tempo trincam ou rompem. A lataria tem que refletir uma imagem lisa, desconfie de latarias opacas ou ásperas.

Abra as portas e confira se as portas se fecham com facilidade sem a necessidade de muita força. Procure pontos de corrosão como embaixo das portas, interior dos para lamas e rodas. Costumam ter excesso de  "podrões" nestas partes e em muitos casos não apenas encontram-se ferrugens na lataria, mas lataria nas ferrugens.

Se quiser pode fazer o esquema do pano com imã. Enrole-o num pano e passe sobre a lataria do carro, aonde tiver excesso de massa, o imã não permanecerá "colado" e se soltará com facilidade. Sobre os "podrões" na lataria, digo que tudo se resolve. O Fiat 147 é um carro que está aí lutando há mais de 30 anos e não há lata que aguente tanto oxigênio sem enferrujar. Sempre existirá um bom funileiro e um bom pintor para realizar tais reparos. Uma coisa eu digo e tenho plena certeza: É melhor comprar um carro que esteja 90% de lataria e 0% de motor, do que o contrário. No motor, gastando uma grana, você deixa ele como estivesse saído de Betim-MG. No caso da lataria, não é a mesma coisa. Portanto, lataria é tudo; se o carro estiver bonito de lataria (conservado), não esquente a cabeça com os pontos corrosivos como em baixo das portas, rodas e para lamas... Um bom profissional irá recuperar estes pontos e seu carro estará inteiro novamente.

Na segunda parte, acompanhando a sequência falarei do interior, visto que por fora o carro passou no teste da "olhada".

>continua...

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Na hora de abastecer: Gasolina ou Etanol?


Na hora de abastecer o carro flex, o consumidor sempre leva um susto ao deparar-se com o preço praticado pelos postos de combustíveis. A causa do susto está principalmente ligado ao preço do etanol. Segundo notícias atuais o preço do etanol está 25% mais caro do que o mesmo período de 2010.

É de se espantar ao saber que tudo indica uma futura falta do produto no mercado e no tanque dos carros movidos a etanol. Mas a causa disso está diretamente ligada ao fato de ser mais vantajoso exportar açúcar do que fazer etanol. Visto que o mercado do açúcar está em alta, o lucro será maior atendendo esta necessidade. Um litro de álcool resulta em 1,5 kg de açúcar.

De toda forma, estamos vendo que realmente faltará esta opção de combustível ecologicamente correto no mercado brasileiro e a consequência todos já sabemos: Preços elevados.
Quem tem o carro flex, conta com um escape na hora de ser "assaltado" quando abastece o automóvel. Basta fazer a seguinte conta:
Divide-se o valor do Etanol pelo preço da Gasolina, o resultado deve ser igual ou menor de 0,7. Quanto mais abaixo de 0,7 melhor para seu bolso.
Exemplo dos preços praticados na cidade onde moro:
Preço do litro:
Etanol: 2,19
Gasolina: 2,99
2,19/2,99 = 0,73 (Nesse caso compensa abastecer com gasolina).

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

O que verificar antes de comprar um Fiat 147?

Foto do meu "saudoso"  Fiat 147.
Calma! Não é nada disso que você está pensando, eu posso explicar! (Nunca pensei que usaria esta frase).
Este blog não se tornou um classificados de compra e venda de veículos usados; acontece que recebi através dos comentários de outras postagens, uma sugestão. Segue abaixo:
"Então esse carrinho é um sonho perdido. O que devo olhar antes de comprar um Fiat 147?"
Bem, responderei esta pergunta em algumas etapas das próximas postagens. Quem sabe ajudará você, antes de comprar seu primeiro "fietin".
Portanto, espere! Não compre nenhum 147 antes de ler as futuras postagens!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Meu suado dinheiro.

Se todo mês eu colocar R$100,00 na carteira para gastos emergenciais como, um remendo de pneu furado, uma lâmpada do farol que queimou, um remédio para dor de cabeça... Estarei me prevenindo e acudindo tal situação. São gastos que não são previsíveis e devemos estar precavidos. Imaginem se o pneu furado me impedir de ir para casa, ou a lâmpada do farol deixar o carro "caolho", e se a dor de cabeça me atazanar o dia inteiro... Ninguém suporta. São situações que ocorrem e nada melhor do que ter o que se fazer para remediar.

Imaginem então se eu colocar os mesmos R$100,00 na carteira e começar a gastar com um sorvete todas as vezes que eu passar em frente à sorveteria. Comer lanches todas as vezes que passar em frente à lanchonete. Tudo bem, a regra contém exceção. Mas toda vez, passa a ser costume.

Eu estava há alguns quilômetros de distância de casa quando bateu aquela baita roncada no estômago. Já procurando um lugar para comer um salgado e um refrigerante. No trajeto calculei que estava cerca de uns cinco quilômetros de casa. Calculei o trajeto de ida e depois o retorno para que eu continuasse a fazer a tarefa do dia. Seriam dez quilômetros, o que custaria em combustível para a motocicleta exatamente R$0,99.
Dois salgados e um refrigerante não ficaria menos de R$4,50.

A gasolina já estava no tanque e eu deixei de gastar o dinheiro que havia na carteira, e além do mais, a comida que estava em casa já estava pago e bem mais saudável. É apenas um pequeno exemplo de como podemos administrar o nosso dinheiro, esta comparação relativa entre uma coisa e outra deve ser feita em todos os aspectos.

Na hora de gastar o seu dinheiro, procura avaliar se o que vai adquirir é realmente necessário.
Hoje, 19 de Setembro, é o dia do comprador; que pode ser também considerado o dia do consumidor, pois também adquire produtos através de compras.
Fica aqui a dica, programe-se antes de sair às compras.
Faça uma lista do necessário, dando a esta lista prioridade.

No mais, tenha consciência, afinal dinheiro não é capim, não se vê crescendo em árvores, mas resulta do seu trabalho. Ele não se multiplica no bolso, embora quanto mais se troca uma nota grande, mais notas menores se tem na carteira. Termino este com uma pequena frase de grande valia:
Gaste menos do que ganha.

domingo, 11 de setembro de 2011

Ao escutar o relógio...

Quem consegue saber ou entender sobre o que rege no intervalo dos segundos?
Quem faria aferição e diria que o segundo não é autêntico?
Talvez seu intervalo seja exagerado ou miserável...

Diria eu que o segundo em questão, tão somente se torna exagerado em situação de extrema saudade...
Diria também que seria miserável em plenos momentos ao lado de um grande amor...
Se ele se torna exagerado ou miserável; não sei classificar...

O amante acharia miserável; o sofredor acharia exagerado.
As somas destes pequenos espaços de tempo, dão lugar ao instante, que em sua somatória resulta em tempo. Mas quem seguraria o tempo? Quem o apressaria?

Segundos, minutos, horas, dias, semanas,  meses, anos, décadas, séculos, milênio...
O topo talvez seja isto, o milênio... Mas de qualquer forma ele se sustenta no segundo.
O gigante milênio se constrói em muitas etapas do segundo.
Quem calcula isto? Quem diria se o barulho do ponteiro do segundo trabalha justamente?
 Calculam-se os séculos, mas quem constrói é o segundo.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

7 de Setembro.

Este acontecimento conhecido por Independência do Brasil, foi um dos fatos históricos mais importantes do País, pois revela o momento do fim do domínio Português e a conquista da autonomia política. Antes deste 7 de setembro de 1822, várias pessoas morreram tentando chegar à este mesmo ideal, entre eles, Tiradentes.

Após este fato que fez com que o Brasil não dependesse mais de Portugal, houve então os primeiros reconhecimentos desta independência, sendo que o México e os Estados Unidos foram os primeiros países a reconhecê-lo.


É muito bom saber que vivemos em um país livre...
Estamos livres...
Seria melhor se o Brasil conseguisse se livrar também...

Dos casos de abandono que acontece em hospitais, quando bebês, jovens e idosos morrem em filas de hospitais aguardando atendimento médico ou esperando um tratamento para recuperar sua saúde.

Do descaso com a juventude que experimenta pela primeira vez a droga e por seguinte se torna um escravo do vício; quando muitos tem uma mínima vontade de tentar sair do buraco escuro, porém não encontram quem lhes ofereça ajuda ou amparo e acabam se entregando nas "Cracolândias da vida".

Dos ladrões disfarçados de aliados do povo, com seus ternos, com seus patrimônios duvidosos, com seus desvios de dinheiro público, e ainda estão lá, "representando" o povo.

Dos impostos altíssimos, dos tributos exagerados, das arrecadações gigantescas, no pretexto de se usar esse dinheiro em favor da população.

Da impunidade, da injustiça, da desonestidade, da maldade, do egoísmo, da ganância, do lucro fraudulento, do abuso de poder, do descaso, da mentira, da covardia, etc... ( e tudo de ruim que você já viu no Brasil).

Diante de tudo isto que vemos, lemos, ouvimos; resta uma pergunta atuando como um martelo em minha própria cabeça:
"O que eu tenho feito para que seja diferente?".

Eu já tenho minha resposta; creio que você também já tem a sua. Independente de qual seja ela, saiba que podemos fazer algo pelo país em que vivemos. Talvez sozinho, não consigamos mudar as coisas ruins, mas pelo menos podemos contribuir para que isso aconteça. A união, é um ótimo aliado nestas mudanças.

Independente de sua resposta...
Independente do dia da Independência...
Não espere para contribuir para um Brasil melhor para nós mesmos...
Somos livres, e se livre somos, temos liberdade para não nos aprisionar em nada.
Um bom 7 de Setembro para você Brasil!

São os votos do seu patriota:
Jefferson Nunes.

sábado, 3 de setembro de 2011

Eriosvaldo e Jorgina

Tem gente que não consegue se manter calada em certas situações e seus comentários apenas pioram o fato.
Depois de muito ouvir pessoas ameaçando fazer isso, fazer aquilo, fazer aquilo outro... Percebi que muita coisa não passa de desabafo... Faz nada... O ruim é quando acontece alguma coisa, que dá a entender, que tem alguma ligação com que o "bocudo" esbravejou...
Abaixo, uma estória ilustrativa que imaginei... 


Eriosvaldo é um homem trabalhador, sistemático, muito reservado, suas poucas amizades são seus verdadeiros amigos. Ele tem todas as qualidades de uma pessoa honesta e batalhadora, porém seu único defeito consiste em ser desconfiado de tudo, inclusive de Jorgicléia, sua namorada.

Em suas crises de ciúmes, procurava os amigos para conversar, na intenção de desabafar aquela pressão psicológica em sua cabeça. Nisto, os amigos estavam prontos para ouvi-lo, porém como todo ser humano é igual, assim que se viam sem a presença de Eriosvaldo, começavam a falar entre a turma:
"Ele vai acabar enlouquecendo de tanto ciúme da Jorgicléia."
Outros:
"Não sei não, acho que ela gosta de outro e não vai demorar muito para terminar com ele."
E alguns:
"Nem quero estar perto quando Eriosvaldo ficar nervoso... Ele é calmo, porém estas pessoas quando nervosas ficam descontroladas."

Passaram-se os dias e Eriosvaldo estava completamente estressado no serviço, não tinha rendimento suas tarefas e concentrar-se no trabalho era impossível. Então ele diz à turma, durante o trabalho:
"Pessoal, eu vou sair daqui agora, vou na casa da Jorgicléia e dependendo da situação que eu encontrar, eu vou partir para a porrada!"
Os amigos imediatamente:
"Quê isso, nada de violência, tudo é conversado! E cuidado, a Lei Maria da Penha..."

Ele retrucou:
"Vocês vão ver, eu vou lá agora e se ela não quiser me atender eu vou arrombar a porta e quebrar tudo lá!"

Em seguida saiu.

Eriosvaldo era muito nervoso, e bastava pensar em alguma situação ruim, que seu coração disparava e a adrenalina corria pelo seu corpo.
Assim que passou pela sala do chefe sem justificar, desceu as escadas correndo, passou pela catraca, atravessou o estacionamento e ao invés de sair pela saída de funcionários que estava bem longe, resolveu pular a corrente que fazia divisa com outro pátio, o que encurtava a saída.
Tudo bem, se ele não tivesse esquecido um pé antes da corrente. No pulo, perdeu o equilíbrio e bateu com a testa em um hidrante daqueles bem vermelhos. Não dava para saber o que era vermelho do hidrante e o roxo de sua testa. E bem no meio dela.

Ele levantou-se um pouco tonto, foi ao ponto de ônibus e depois de trinta minutos lá estava ele na porta da casa de Jorgicléia, e sua testa estava mais em evidência.
Ela estava limpando a casa e depois de alguns instantes de conversa, explicando a razão da testa vermelha e roxa, saiu dali aliviado pelos beijinhos que acabava de receber de sua namorada.

Eriosvaldo prometeu a si mesmo e à sua namorada que nunca mais iria ter crises de ciúme, e decididamente resolveu voltar ao trabalho, agora mais motivado, apaixonado, confiante e uma testa latejante.


Assim que chegou em sua seção, os colegas olharam para ele e começaram a rir:
"Ué! Você não ia chegar quebrando tudo lá?"
E risadas atrás de mais risadas...
"O que foi, ela reagiu?"
E gargalhadas...
Ninguém quis acreditar na versão do hidrante, apesar de ser a verdade.
Eriosvaldo aprendeu que não deve falar mais que a própria boca.