sábado, 3 de setembro de 2011

Eriosvaldo e Jorgina

Tem gente que não consegue se manter calada em certas situações e seus comentários apenas pioram o fato.
Depois de muito ouvir pessoas ameaçando fazer isso, fazer aquilo, fazer aquilo outro... Percebi que muita coisa não passa de desabafo... Faz nada... O ruim é quando acontece alguma coisa, que dá a entender, que tem alguma ligação com que o "bocudo" esbravejou...
Abaixo, uma estória ilustrativa que imaginei... 


Eriosvaldo é um homem trabalhador, sistemático, muito reservado, suas poucas amizades são seus verdadeiros amigos. Ele tem todas as qualidades de uma pessoa honesta e batalhadora, porém seu único defeito consiste em ser desconfiado de tudo, inclusive de Jorgicléia, sua namorada.

Em suas crises de ciúmes, procurava os amigos para conversar, na intenção de desabafar aquela pressão psicológica em sua cabeça. Nisto, os amigos estavam prontos para ouvi-lo, porém como todo ser humano é igual, assim que se viam sem a presença de Eriosvaldo, começavam a falar entre a turma:
"Ele vai acabar enlouquecendo de tanto ciúme da Jorgicléia."
Outros:
"Não sei não, acho que ela gosta de outro e não vai demorar muito para terminar com ele."
E alguns:
"Nem quero estar perto quando Eriosvaldo ficar nervoso... Ele é calmo, porém estas pessoas quando nervosas ficam descontroladas."

Passaram-se os dias e Eriosvaldo estava completamente estressado no serviço, não tinha rendimento suas tarefas e concentrar-se no trabalho era impossível. Então ele diz à turma, durante o trabalho:
"Pessoal, eu vou sair daqui agora, vou na casa da Jorgicléia e dependendo da situação que eu encontrar, eu vou partir para a porrada!"
Os amigos imediatamente:
"Quê isso, nada de violência, tudo é conversado! E cuidado, a Lei Maria da Penha..."

Ele retrucou:
"Vocês vão ver, eu vou lá agora e se ela não quiser me atender eu vou arrombar a porta e quebrar tudo lá!"

Em seguida saiu.

Eriosvaldo era muito nervoso, e bastava pensar em alguma situação ruim, que seu coração disparava e a adrenalina corria pelo seu corpo.
Assim que passou pela sala do chefe sem justificar, desceu as escadas correndo, passou pela catraca, atravessou o estacionamento e ao invés de sair pela saída de funcionários que estava bem longe, resolveu pular a corrente que fazia divisa com outro pátio, o que encurtava a saída.
Tudo bem, se ele não tivesse esquecido um pé antes da corrente. No pulo, perdeu o equilíbrio e bateu com a testa em um hidrante daqueles bem vermelhos. Não dava para saber o que era vermelho do hidrante e o roxo de sua testa. E bem no meio dela.

Ele levantou-se um pouco tonto, foi ao ponto de ônibus e depois de trinta minutos lá estava ele na porta da casa de Jorgicléia, e sua testa estava mais em evidência.
Ela estava limpando a casa e depois de alguns instantes de conversa, explicando a razão da testa vermelha e roxa, saiu dali aliviado pelos beijinhos que acabava de receber de sua namorada.

Eriosvaldo prometeu a si mesmo e à sua namorada que nunca mais iria ter crises de ciúme, e decididamente resolveu voltar ao trabalho, agora mais motivado, apaixonado, confiante e uma testa latejante.


Assim que chegou em sua seção, os colegas olharam para ele e começaram a rir:
"Ué! Você não ia chegar quebrando tudo lá?"
E risadas atrás de mais risadas...
"O que foi, ela reagiu?"
E gargalhadas...
Ninguém quis acreditar na versão do hidrante, apesar de ser a verdade.
Eriosvaldo aprendeu que não deve falar mais que a própria boca.

2 comentários:

  1. kkkk. Esse Eriosvaldo é realmente uma piada. Nada q/ uns beijinhos da namorada não acalmasse a fera, hein!!! Isso sempre resolve. kkkkk
    TRNN - Uberaba

    ResponderExcluir
  2. Se precipitar, preocupar, desconfiar e tirar conclusões diferentes da realidade. É muito normal como reação em qualquer pessoa que se sinta constrangida, duvidosa ou ansiosa. Mas não deveria, pois somos seres dotados de inteligência e racionalidade, somos únicos em toda a terra, não há nenhum animal que chegue perto do ser humano. E mesmo sabendo disso, preferimos agir como meros animais irracionais, por quê? Há, se a maioria soubesse, com toda certeza não haveria guerras, contendas, brigas e conflitos por mínimo que seja a causa da discórdia. É isso aê irmão, muito bem ilustrado, que sirva de um pequeno exemplo seu post, e que as pessoas pensem nas mazelas que nossa mente prega em nós mesmos. E possamos mudar nossas atitudes, agindo como seres únicos que somos: Humano!!!!

    Geraldo - Uberaba - MG

    ResponderExcluir